A partir deste mês o Museu da Imagem e do Som (MIS) de São Paulo inaugura um novo projeto relacionado ao audiovisual. Idealizado por Isa Castro, diretora cultural do museu, o programa Cinema Paulista Já! busca ressaltar a renovação regional promovida a partir de uma geração de cineastas independentes que fizeram seus primeiros longas-metragens de ficção nos anos 1980.

O programa trará, a cada edição, um personagem desta geração e uma retrospectiva de seus filmes. O primeiro convidado é Alain Fresnot, diretor de filmes como Lua Cheia, Ed Mort, Desmundo e Família Vende Tudo. Para que esses filmes possam ser exibidos, a pesquisa não se resume ao acervo do Museu da Imagem e do Som, mas se estende a acervos universitários e de espaços como a Cinemateca Brasileira.

Cineasta e produtor radicado em São Paulo, Fresnot nasceu em 1951, na França. Aos oito anos se mudou para o Brasil com a família. Formou-se em cinema pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo em 1976, mas um ano antes já havia fundado a produtora A. F. Cinema e Vídeo. Montou, produziu e dirigiu curtas como Pêndulo (1974), Capoeira (1979) e Amor que fica (1986). Além disso, foi assistente de direção e montador de longas de Leon Hirszman, João Batista de Andrade e André Klotzel. A comédia Lua Cheia (1988), sua estreia na direção de um longa, conquistou o Sol de Ouro do RioCine Festival.

Sem caráter ou pretensão de movimento, o cinema desta geração paulista dos anos 80 é diversificado e aponta para diferentes vertentes e propostas estéticas. Em comum, os participantes tinham a Escola de Comunicações e Artes da USP, a Vila Madalena (que se tornou polo das produtoras, como a Gira Filmes, Barca Filmes, Tatu Filmes e Superfilmes), passagens esporádicas pela Boca do Lixo, alguns curtas e um longa-metragem de estreia feito com muito esforço.

“O que nos diferencia de outras gerações era o espírito colaborativo: todos se conheciam, assim trocávamos experiências, emprestávamos equipamentos e atuávamos em diversas funções e em projetos de todos os amigos”, conta Isa Castro. A proponente da mostra participou ativamente dessa geração produzindo, roteirizando e dirigindo diversos curtas e longas-metragens dessa época, como Abrasasas (1982), de Reinaldo Volpato; Fogo Fátuo (1980), de Goffredo Telles Neto; Sete Vidas (1979), de Rubens Xavier; e Lua Cheia (1988), de Alain Fresnot.

Entre os filmes dessa geração que se destacam estão Asa Branca – Um Sonho Brasileiro (1981), de Djalma Limongi Batista; A Marvada Carne (1985), de André Klotzel; Anjos da Noite (1987), de Wilson Barros; A Dama do Cine Shanghai (1987), de Guilherme de Almeida Prado; Cidade Oculta (1986), de Chico Botelho; Jogo Duro (1986), de Ugo Giorgetti; Romance (1988), de Sérgio Bianchi e Feliz Ano Velho (1988), de Roberto Gervitz.

A segunda edição do Cinema Paulista Já! acontecerá em junho e terá André Klotzel como convidado.

Confira abaixo a programação completa da retrospectiva de Alain Fresnot.

 

28.03

18h | Abertura

20h – 21h | Show Disco de freio, samba de breque

Disco de freio, samba de breque é o nome do projeto musical, realizado em parceria com o músico e compositor Elio Camalle, que Alain Fresnot apresenta na abertura do evento. “O álbum é o resultado de minha parceria com o musico e compositor Elio Camalle. Adoro samba, sou letrista e poeta bissexto. Conheci o Elio ao fazer o casting para o filme Família vende tudo.”, conta Fresnot. Participam do show Rodolfo Gomes da Silva (cavaquinho), Alfredo Hacl Castro (percussão) e Douglas Alonso (percussão). No repertório, estão Cineasta brasileiro, Conselho, Sim, Ensina e Samba de breque, entre outras canções.

 

29.03

18h30 – 19h50 | Bate-papo sobre direção cinematográfica com Alain Fresnot mediado pelo cineasta Pedro Urizzi.

20h | Filmes

Capoeira (Dir. Alain Fresnot, Brasil, 1979, 10 min, 35 mm)

Sinopse: Cerimônia de batismo na capoeira na Barra Funda, o canto e a dança da luta nos anos 70.

+

Lua cheia (Dir. Alain Fresnot, Brasil, 1988, 85 min, 35 mm) Elenco: Lima Duarte, Otávio Augusto, Lúcia Alves, Antonio Abujamra

Sinopse: Guimarães (Lima Duarte) é um grande empresário duro e inflexível, que muda seu comportamento quando bebe. Uma das vítimas mais frequentes de sua dupla personalidade é seu motorista particular, Wellington (Otávio Augusto). Um casamento de conveniência é armado para unir Lia (Lúcia Alves), filha de Guimarães, a Montês (Roney Facchini), filho de uma família decadente, mas de prestígio.

 

30.03

20h

Ed Mort (Dir. Alain Fresnot, Brasil, 1996, 100 min, 35 mm) Elenco: Paulo Betti, Claudia Abreu, Ary Fontoura, Otavio Augusto

Sinopse: Ed Mort (Paulo Betti) é um detetive de nona categoria, que mora em um cubículo, está sempre sem dinheiro e, no café da manhã, come pastel e garapa (fiados, obviamente). Um dia, Ed é procurado por Dayse (Roseane Lima), uma sensual e misteriosa mulher que quer ajuda para encontrar o marido, que é um mestre em disfarce. Mas é ele que encontra Ed para lhe revelar que descobriu na Delbono, uma indústria de salsichas onde trabalha, um maquiavélico plano. Ed se defronta com Nogueira (Ary Fontoura), presidente da fábrica, e ainda precisa evitar o delegado Mariano (Otávio Augusto), um corrupto que sempre está perseguindo Ed.

 

31.03

20h | Filmes

Amor que fica (Dir. Alain Fresnot, 1986, 11 min, 35 mm)

Sinopse: Dois casais diferentes se relacionam num bar da moda. Uma troca de casais movida a fantasia e modernidade.

+

Desmundo (Dir. Alain Fresnot, Brasil, 2002, 100 min, DVD) Elenco: Caco Ciocler, Simone Spoladore, Osmar Prado

Sinopse: Em 1570, chega ao Brasil um grupo de órfãs enviadas pela rainha de Portugal para desposar os primeiros colonizadores, entre elas, Oribela (Simone Spoladore). Contra sua vontade, ela se casa com Francisco de Albuquerque (Osmar Prado), que a leva para seu engenho de açúcar. Sentindo-se infeliz, ela tenta fugir para retornar a Portugal, mas acaba sendo recapturada pelo marido. Furioso, ele a acorrenta em um galpão. Sozinha e ferida, a única ajuda que recebe é a de uma índia que lhe leva comida e cuida de seus ferimentos.

 

01.04

20h| Filmes

Pé de pato (Dir. Alain Fresnot, 1994, 10 min, 35 mm)

Sinopse: Apelido popular dado aos “justiceiros”, assassinos a serviço dos comerciantes que fazem chacinas pela periferia de São Paulo, ontem e hoje.

+

Família vende tudo (Dir. Alain Fresnot, 2011,90 min, DVD). Elenco: Lima Duarte, Vera Holtz, Caco Ciocler, Marisol Ribeiro, Luana Piovani

Sinopse: Após a apreensão de muamba vinda do Paraguai, uma família se vê em sérios problemas financeiros. A saída é usar a filha Lindinha (Marisol Ribeiro) para aplicar o golpe da barriga. O alvo passa a ser Ivan Carlos (Caco Ciocler), um astro da música brega. Lindinha e seus pais (Lima Duarte e Vera Holtz) passam a acompanhar sua agenda de shows. Eles só não contavam com Jennifer (Luana Piovani), a esposa ciumenta do cantor.

 

28.03 a 08.04 |Exposição Alain Fresnot

A exposição traz materiais de divulgação de filmes dirigidos pelo cineasta, incluindo cartazes, folhetos, lambe-lambe, além de outros itens como fotos, roteiros, storyboard, maquete e tira de jornal. Já em seus trabalhos de artes plásticas, Alain Fresnot busca exercitar o componente lúdico que a prática artística traz consigo. A exposição faz um recorte da produção que o artista realizou nos últimos dez anos e apresenta a diversidade de técnicas e materiais que utiliza na criação das esculturas, tais como bronze, metal, aço, couro, plástico e madeira.

 

Serviço

Cinema Paulista Já!! convida Alain Fresnot

Data: De 28 de março a 1º de abril de 2018 (Mostra de Filmes); 20 de março a 8 de abril de 2018 (Exposição Alain Fresnot)

Local: Museu da Imagem e do Som (Avenida Europa, 158 – Jardim Europa – São Paulo)

Entrada Gratuita (para a mostra de filmes e bate-papo é necessário retirar senha com uma hora de antecedência na recepção do Museu)

Telefone: (11) 2117 4777

Site: http://mis-sp.org.br/