As esperanças brasileiras por premiações em Cannes estavam concentradas no longa-metragem Aquarius, de Kleber Mendonça Filho, mas quem garantiu uma honraria para o país foi o curta-metragem A Moça que Dançou com o Diabo, de João Paulo Miranda Maria, que recebeu uma Menção Especial do Júri.

Na disputa mais aguardada, o inglês Ken Loach levou a Palma de Ouro pela segunda vez – a primeira tinha sido há dez anos, com Ventos de Liberdade -, pelo filme Eu, Daniel Blake, que fala sobre um operário doente que enfrenta a burocracia para conseguir receber seu seguro-desemprego.

Presidido por George Miller, o júri de longas esnobou os favoritos da crítica internacional. O alemão Toni Erdmann, o americano Paterson, o romeno Sierranevada e o brasileiro Aquarius eram considerados nomes certos entre os premiados, mas saíram de mãos vazias.

Conheça a seguir os premiados do Festival de Cannes 2016.

 

Palma de Ouro

I, Daniel Blake, de Ken Loach (Reino Unido)

 

Grande Prêmio do Júri

Juste la Fin du Monde (Apenas o Fim do Mundo), de Xavier Dolan (Canadá/França)

 

Melhor diretor

Olivier Assayas, por Personal Shopper (França), e Cristian Mungiu, por Graduation (Romênia) (empate)

 

Melhor atriz

Jaclyn Jose, por Ma’ Rosa, de Brillante Mendoza (Filipinas)

 

Melhor ator

Shahab Hosseini, por The Salesman, de Ashgar Farhadi (Irã)

 

Melhor roteiro

Asghar Farhadi, por The Salesman (Irã)

 

Prêmio do Júri

American Honey, de Andrea Arnold (Reino Unido/EUA)

 

Prêmio Caméra d’Or (melhor primeiro filme)

Divines, de Houda Benyamina (Afeganistão)

 

Melhor curta-metragem

Time Code, de Juanjo Gimenez (Espanha)

 

Menção especial – curta-metragem

A Moça que Dançou com o Diabo, de João Paulo Miranda Maria (Brasil)

 

Palma de Ouro Honorária

Jean-Pierre Léaud

 

L’Oeil D’Or (melhor documentário)

Cinema Novo, de Eryk Rocha