Filme, direção, roteiro e montagem. O júri oficial do 22º Cine PE não deixou dúvidas sobre sua preferência e entregou todos os troféus criativos mais valorizados para o documentário Henfil, de Angela Zoé. O trabalho, que resgata a história de Henrique de Souza Filho (1944-1988), cartunista, jornalista e escritor mineiro, ainda conquistou o Júri Popular na cerimônia ocorrida na noite desta terça (5).

O longa-metragem carioca Os Príncipes, de Luiz Rosemberg Filho, também foi um dos grandes destaques desta edição, levando para casa seis Calungas de Prata, incluindo as de Melhor Fotografia, Edição de Som e Trilha Sonora.

Entre os curtas-metragens, o falso documentário Vidas Cinzas, de Leonardo Martinelli, ganhou o prêmio de Melhor Filme na mostra nacional, enquanto que na Mostra Competitiva de Curtas Pernambucanos o vencedor foi Uma Balada para Rocky Lane, dirigido por Djalma Galindo.

O Júri Oficial do Cine PE foi formado pelo produtor executivo e gestor em marketing cultural Emerson Rodrigues; pela diretora, roteirista e produtora de cinema Luci Alcântara; pelo ator, diretor, produtor cultural e professor Sérgio Fidalgo; pela produtora e diretora Tete Moraes; pelo engenheiro, curador, pesquisador e preservador da Cinemateca Cine Royal, Luiz Cardoso Ayres Filho; pelo diretor do Festival de Cinema de Gramado entre 1978 e 2000, Esdras Rubin; pelo diretor Francisco Ramalho Junior; e pela publicitária Jal Guerreiro.

Confira a lista completa de premiados.

 

MOSTRA COMPETITIVA DE CURTAS-METRAGENS PERNAMBUCANOS

Melhor Filme – “Uma Balada para Rocky Lane”

Melhor Direção – Diego Melo (“Seja Feliz”)

Melhor Roteiro – Fabio Ock (“Seja Feliz”)

Melhor Fotografia – Henrique Spencer (“Frequências”)

Melhor Montagem – Marcos Buccini (“O Consertador de Coisa Miúdas”)

Melhor Edição de Som – Adalberto Oliveira (“Frequências”)

Melhor Trilha Sonora – Neilton Carvalho (“O Consertador de Coisas Miúdas”)

Melhor Direção de Arte – Lia Letícia (“Frequências”)

Melhor Ator – Heraldo Carvalho (“Edney”)

Melhor Atriz – Roberta Mharciana (“Cara de Rato”)

 

MOSTRA COMPETITIVA DE CURTAS-METRAGENS NACIONAIS

Melhor Filme – “Vidas Cinzas”

Melhor Direção – Klaus Hastenreiter (“Não Falo com Estranhos”)

Melhor Roteiro – Rubens Passaro (“Universo Preto Paralelo”)

Melhor Fotografia – Ivanildo Machado (“Sob o Delírio de Agosto)

Melhor Montagem – Pedro de Aquino (“Vidas Cinzas”)

Melhor Edição de Som – Rafael Vieira (“Abismo”)

Melhor Trilha Sonora – Alexsandra Stréliski e Ludovico Einaudi (“Plantae”)

Melhor Direção de Arte – Rachel Oleksy (“Teodora Quer Dançar”)

Melhor Ator – Jurandir de Oliveira (“Abismo”)

Melhor Atriz – Mariana Badan (“Teodora quer Dançar”)

 

MENÇÕES HONROSAS

“Marias” – Pela relevância do tema apresentado através de depoimentos reais, emocionantes e contundentes.

“Plantae” – Pela atualidade e importância do tema abordado lindamente de forma simbólica e poética.

“Insone” – Pela capacidade de síntese na narração em tão pouco tempo, de uma história de aventura do imaginário infantil.

 

MOSTRA COMPETITIVA DE LONGAS-METRAGENS:

Melhor Filme – “Henfil”

Melhor Direção – Angela Zoé (“Henfil”)

Melhor Roteiro – Angela Zoé e Gabriela Javier (“Henfil”)

Melhor Fotografia – Alisson Prodlik (“Os Príncipes”)

Melhor Montagem – João Rodrigues e Indira Rodrigues (“Henfil”)

Melhor edição de som – Marcito Vianna (“Os Príncipes”)

Melhor Trilha Sonora – Gustavo Jobim (“Os Príncipes”)

Melhor Direção de Arte – Letycia Rossi (“Dias Vazios”)

Melhor Ator Coadjuvante – Tonico Pereira (“Os Príncipes”)

Melhor Atriz Coadjuvante – Carla Ribas (“Dias Vazios”)

Melhor Ator – Ex-Aequo: Igor Cotrim (“Os Príncipes”) e Arthur Ávila (“Dias Vazios”)

Melhor Atriz – Patrícia Niedermeier (“Os Príncipes”)

 

PRÊMIO DA CRÍTICA (júri formado por Diego Olivares, Clarissa Kuschnir, Francisco Carbone, e Breno Pessoa)

Melhor Longa-Metragem - “Christabel”

Melhor Curta Nacional – “Abismo”

Melhor Curta Pernambuco – “Seja Feliz”

 

PRÊMIO CANAL BRASIL (júri formado por Ismaelino Pinto, Francisco Carbone, Clarissa Kuschnir, João Victor Figueira, Diego Olivares e Barbara Demerov)

Melhor Curta: “Universo Preto Paralelo” (SP)