Exibidos pela primeira vez na 20ª Mostra de Tiradentes, respectivamente nas seções Aurora e Praça, os documentários Corpo Delito, de Pedro Rocha, e Guarnieri, de Francisco Guarnieri, foram ambos frutos do edital Histórias que Ficam, programa de consultoria, fomento e difusão do documentário brasileiro autoral que, nesta edição, investiu R$ 1,3 milhão na produção de quatro filmes de até 70 minutos, com temática livre.

A Mostra Itinerante Histórias que Ficam tem o objetivo de exibir esses trabalhos antes mesmo da estreia no circuito comercial. O lançamento do projeto será na próxima terça, dia 18 de abril, na Unibes Cultural. Na data, haverá exibição, às 19h, de Corpo Delito, filme que acompanha a rotina de Ivan, um homem que sai da cadeia, mas continua preso a uma tornozeleira eletrônica.

A sessão será seguida de debate com o diretor Pedro Rocha, o ex -ministro da Justiça Luiz Paulo Barreto e Marina Dias, que integra o Conselho da Ouvidoria da Defensoria Pública de São Paulo, do Instituto de Defesa do Direito de Defesa (IDDD) e é idealizadora do documentário Sem Pena – que também se debruça sobre o sistema de justiça e a situação carcerária do Brasil. O evento é aberto ao público, mediante retirada de senhas uma hora antes da exibição.

No dia 3 de maio, às 19h30, no Centro Cultural São Paulo, será a vez da exibição de Guarnieri, também seguida de debate. O documentário, dirigido pelo neto de Gianfrancesco Guarnieri, propõe uma reflexão sobre o papel do indivíduo na sociedade, na arte e na família, a partir da memória do famoso ator e dramaturgo.

Esta edição do programa Histórias que Ficam recebeu 273 inscrições, vindas do Brasil todo. Os demais documentários selecionados são Iramaya, de Carolina Benjamin (Rio de Janeiro), e No Vazio do Ar, de Priscilla Regis Brasil (Belém). Os filmes serão exibidos até 20 de maio em mais de 20 cidades do País, principalmente as que não possuem um circuito expressivo de exibição.

Além das sessões programadas, os exibidores que quiserem fazer parte do circuito podem cadastrar uma sessão por meio da plataforma Taturana (www.taturanamobi.com.br). Informações atualizadas sobre a programação da mostra podem ser encontradas no site: www.historiasqueficam.com.br.

 

Leia também:

>>> Entrevista com o diretor Pedro Rocha, de Corpo Delito

>>> Crítica do filme Corpo Delito