Principal festival de documentários do Brasil, o É Tudo Verdade desse ano irá exibir dois filmes póstumos do cineasta Eduardo Coutinho (1933-2014), que morreu no último mês de fevereiro. Planejadas como material extra para a edição em DVD de Cabra Marcado Para Morrer, as obras Sobreviventes da Galileia, que registra a volta de Coutinho ao local das filmagens de Cabra…, e A Família de Elizabeth Teixeira, que reencontra a personagem central do mesmo filme, farão parte da programação do evento.

“O festival acontece ainda enlutado pela morte do Coutinho, que foi o nome que fixou a imagem do que é documentário no Brasil. Eu não tenho a menor dúvida de que esse momento de extrema vitalidade do documentário nos últimos 15 anos deve muito não só ao talento do Coutinho, mas também ao seu carisma e à sua liderança nesse processo. O Coutinho transcende a dimensão de um gênero. Ele não era apenas o principal documentarista brasileiro, mas também o principal cineasta brasileiro e um dos principais artistas brasileiros em atividade no final do século XX e começo do XXI.”, destacou o diretor do festival, Amir Labaki, na coletiva que apresentou a programação do evento, nesta quarta-feira (12), em São Paulo.  

O É Tudo Verdade 2014 começa no dia 3 de abril em São Paulo com a exibição do filme Canção da Floresta, de Michael Obert. Um dia depois, no Rio de Janeiro, o evento terá na sessão de abertura a obra Tudo por Amor ao Cinema, de Aurélio Michiles. Nas duas cidades o festival irá até o dia 13 de abril, e haverá ainda edições reduzidas em Campinas (22 a 24 de abril), Brasília (30 de abril a 4 de maio) e Belo Horizonte (24 a 27 de julho).

O japonês Shohei Imamura (1926-2006), mais conhecido por obras de ficção como Balada de Narayama e A Enguia, ambos vencedores da Palma de Ouro em Cannes, terá exibido o seu pouco conhecido trabalho documental. Outra homenageada do evento será a brasileira Helena Solberg, diretora de filmes como Carmen Miranda: Banana is My Business e o recente Alma da Gente, que foi exibido no É Tudo Verdade do ano passado.

Nas seções competitivas de longas-metragens nacionais e estrangeiros há uma predominância de novos diretores. Seis dos sete longas da competição brasileira são de realizadores que nunca participaram do É Tudo Verdade, e o mesmo vale para todos menos um dos diretores dos longas da competição internacional.

Veja a seguir os filmes concorrentes.

 

COMPETIÇÃO BRASILEIRA DE LONGAS E MÉDIAS-METRAGENS

Bernardes, de Gustavo Gama e Paulo Barros (RJ, 91 min., 2013).
Um retrato pioneiro do arquiteto carioca Sergio Bernardes (1919-2002), um dos mestres da arquitetura brasileira moderna, cujo reconhecimento foi ofuscado por sua decisão de trabalhar para a ditadura militar.

Democracia em preto e branco, de Pedro Asbeg (RJ, 82 min., 2014).
A colaboração entre a Democracia Corinthiana, liderada por Sócrates, Vladimir, Casagrande e Zenon, e o Rock BR, de Barão Vermelho, Paralamas do Sucesso e Ultraje a Rigor, para o processo de redemocratização brasileira no ocaso da ditadura militar durante os anos 1980.

Dominguinhos, de Joaquim Castro, Eduardo Nazarian e Mariana Aydar (SP, 84 min., 2014).
Retrato do sanfoneiro Dominguinhos (1941-2013), cuja música revive em raras imagens de arquivo, derramando uma história que se multiplica em sons, versos e beleza.

Homem Comum, de Carlos Nader (SP, 110 min., 2014).
Ao longo de quase 20 anos, o cineasta Carlos Nader conviveu com o caminhoneiro Nilson de Paula e sua família. Durante esse período, a vida de Nilson se transforma quando ele adoece.

O mercado de notícias, de Jorge Furtado (RS, 94 min., 2014).
Jornalistas de várias gerações discutem os dilemas quanto à seleção e enfoque de seus temas e a resistência da mídia em aceitar-se como um agente político.

Por Um Punhado de Dólares – Os Novos Emigrados, de Leonardo Dourado (RJ, 81min., 2014).
Cerca de 200 milhões de imigrantes saem de seus países anualmente, enviando para suas casas cerca de US$ 400 bilhões. O retrato de três famílias, dá rosto a essa complexa estatística.

Triunfo, de Caue Angeli e Hernani Ramos (SP, 84 min., 2014).
A música negra e a luta pelos direitos civis dos EUA nos anos 1960 e 1970, inspiraram desde cedo o pernambucano Nelson Triunfo, que viria a ser considerado o pai do hip hop no Brasil.

 

COMPETIÇÃO INTERNACIONAL DE LONGAS E MÉDIAS-METRAGENS

Jasmine, de Alain Ughetto (França, 70 min., 2013).
Neste relato pessoal, o animador e documentarista francês Alain Ughetto reconta seu romance do passado com a iraniana Jasmine.

Ai Weiwei – O Caso Falso, de Andreas Johnsen (Dinamarca, 86 min., 2013).
Acompanhando Ai Weiwei por mais de um ano, após sua detenção por três meses, o filme examina os métodos pelos quais o artista lida com as restrições impostas pelo governo.
Seleção oficial IDFA- 2013.

Normalização, de Robert Kirchhoff (Eslováquia e República Tcheca, 100 min., 2013).
Este documentário levou oito anos para levantar as contradições do assassinato da estudante de 19 anos, Ludmila Cervanova, numa pequena cidade da Eslováquia ocidental, em 1976.
Seleção oficial IDFF Jihlava 2013 e DOK Leipzig 2013.

Rio de Pedra, de Giovanni Donfrancesco (Itália e França, 88 min., 2013).
O projeto Federal Writer’s, do governo Roosevelt, utilizou escritores como John Steinbeck e Saul Bellow para recolher depoimentos de imigrantes italianos da região de Barre (EUA).
Prêmio de Melhor Documentário – Festival Internacional de Cinema de Roma 2013. 

Eixo Óptico, de Marina Razbezhkina (Rússia, 90 min., 2013).
No século XX, Maxim Dmitriev realizou, na cidade de Níjni Novgorod, retratos de diversos personagens. Cópias em tamanho real das fotos são levadas aos locais onde foram tiradas.
Seleção oficial DOK Leipzig 2013 e History Artdocfest – Festival de Cinema Documentário da Rússia 2013.

Retorno a Homs, de Talal Derki (Síria, 88 min., 2013).
Filmado ao longo de três anos na cidade síria de Homs, o documentário registra a trajetória de dois jovens, Basset, de 19 anos, e Ossama, 24, envolvidos na guerra civil no país.
Prêmio do Júri Internacional de Melhor Documentário – Festival de Sundance 2014.

Aldeia de Alao, de Li Youjie (China, 75 min., 2013).
Ao fazer 30 anos, o diretor resolve voltar à sua aldeia natal, que ele abandonou aos 17 anos para cursar a universidade, rompendo a tradição de uma longa linhagem de camponeses.

A Mentira de Armstrong, de Alex Gibney (EUA, 124 min., 2013).
Em 2009, Alex Gibney dedica-se a um filme sobre o ciclista Lance Armstrong, sete vezes vencedor do Tour de France. Com as filmagens praticamente encerradas, Armstrong é banido das competições pela comprovação de uso de doping. Um novo documentário se inicia.
Seleção oficial Festival Internacional de Cinema de Veneza 2013 e Festival Internacional de Cinema de Toronto 2013.

Sobre a Violência, de Goran Hugo Olsson (Suécia, EUA, Dinamarca e Finlândia, 85 min., 2014).
A partir de arquivos da TV sueca, o documentarista Göran Hugo Olsson volta-se às lutas de independência de diversos países da África, que se desencadearam após a II Guerra Mundial.
Seleção oficial Festival de Sundance 2014, Festival Internacional de Cinema de Gothenburg 2014 e Festival de Berlim 2014.

Alegria do Homem que Deseja, de Denis Côté (Canadá, 70 min., 2014).
Imagens de ambientes de trabalho em que funcionários fazem trabalhos manuais, levando uma rotina massacrante, da qual aliviam a tensão em conversas no vestiário e no refeitório.
Seleção oficial Festival Internacional de Cine UNAM 2014, 32º Rendez-vous du Cinéma Québécois 2014, Festival Internacional de Cinema Independente de Istambul 2014 e Festival de Berlim 2014.

A Viagem de Majub, de Eva Knopf (Alemanha, 49 min., 2013).
Ex-soldado colonial na I Guerra Mundial, Mohamed Husen trabalhou em papéis secundários no cinema. Hoje, tudo o que se conhece sobre ele é o que restou nos arquivos da era nazista.
Seleção oficial DOK Leipzig 2013.

À Singapura, Com Amor, de Tan Pin Pin (Singapura, 70 min., 2013). 
Um singular retrato de Cingapura emerge dos relatos de antigos ativistas, líderes estudantis e comunistas que vivem exilados do país há várias décadas, alguns há 50 anos.
Seleção oficial Festival de Berlim 2014, Dubai IFF 2013 e Busan IFF 2013.

 

COMPETIÇÃO BRASILEIRA DE CURTAS-METRAGENS

Borscht, uma receita russa, de Marina Quintanilha (SP, 18 min., 2013).

Fugindo da Revolução Russa e da II Guerra Mundial, dois casais imigram para o Brasil, dividindo a mesma casa em São Paulo. 

A geografia é algum lugar entre o coração e aquilo que já foi, de Letícia Simões e Ricardo Marques (SP, 10 min., 2013).

O filme é uma experiência de montagem, uma colagem de impressões em busca de um discurso, que investiga a criação de memórias a partir de registros de viagem.

Com uma câmera na mão e uma máscara de gás na cara , de Ravi Aymara (RJ, 27 min., 2013).

Uma discussão sobre profissionais, amadores e militantes que registraram imagens das manifestações de junho 2013 no Rio de Janeiro.

A sandália de Lampião, de Adriana Yañez (SP, 26 min., 2013).

Através da história do mestre Espedito Seleiro, de família voltada ao manejo do couro, acompanha-se as transformações desta atividade.

Espinhela caída, de Ana Sofia Paiva, Felipe Chimicatti, Pedro Carvalho e Rafael Bottaro (BH, 24 min., 2013).

Quatro moradores do interior de Minas Gerais compartilham suas experiências com o desconforto da doença conhecida como “espinhela caída”. 

E o amor foi se tornando cada dia mais distante, de Alexander de Moraes (RJ, 9 min., 2014).

A história de Mônica, que se tornou cega aos 21 anos, e como ela percebeu que estava perdendo a visão.

E, de Alexandre Wahrhaftig, Helena Ungaretti e Miguel Ramos (SP, 17 min., 2013).

E, de “estacionamento”. Do latim, “statio”. Ficar de pé, ficar parado. 

A poeira de suas fotos, de Mauricio Osaki (Brasil e Vietnã, 17 min., 2014).

Moradora de Hanoi, no Vietnã, Tien está prestes a completar 20 anos. Nessa passagem à vida adulta, procura fazer um balanço do que a une e a separa de seu pai. 

Sem Titulo #1: Dance of Leitfossil, de Carlos Adriano (SP, 6 min., 2014).

Da série “Para uma AutoCineBiografia (em Regresso)”. Ruínas, ruminações e reminiscências. O improvável duo de um fado para um saudoso convidado.

 

COMPETIÇÃO INTERNACIONAL DE CURTAS-METRAGENS

Somente para Orelhas de Abano, de Ronja Hijmans (Holanda, 20 min., 2013).

Lulu tem oito anos e perdeu sua mãe há nove meses. Seu melhor amigo e confidente é seu coelho de pelúcia, testemunha de sua perseverança no duro caminho para crescer.

O Domador de Peixes, de Roger Gómez e Dani Resines (Espanha, 23 min., 2013).

No laguinho do jardim de Franciscu, nadam seis peixes coloridos. Mas um deles quase nunca vem à tona, preferindo ficar quase o tempo todo no fundo.

O Atraso, de Daniel Paz Mireles (Venezuela e Espanha, 16 min., 2013).

Uma enchente no lago Valencia, na Venezuela, levou à retirada de diversas famílias que moravam em suas imediações, abrigadas em motéis utilizados para encontros amorosos.

Seleção oficial Festival Internacional de Cinema de Caracas, VI Festival de Cinema Latino-Americano e Caribenho de Margarita 2013 e Festival Internacional de Documentários de Jihlava 2013.

A Imaculada, de Ronny Trocker (França e Itália, 13 min., 2013).

Reconstituindo a partir de fotografias e em animação 3D, o diretor reconta a história de uma garota de 16 anos, moradora de um subúrbio numa cidade do norte da Itália.

Seleção oficial Festival Internacional de Cinema de Roma e Rencontres Internationales Henri Langlois. 

Histórias de Kijima, de Mikles Laetitia (França, 30 min., 2013).

“O sr. Kijima não é mais um yakuza. Ele escolheu um novo caminho”, diz a manchete de um jornal. Um desenhista atravessa Sapporo, em busca de testemunhas que possam atestar a veracidade da notícia.

Mãe é Deus, de Maria Bäck (Dinamarca, 30 min., 2013).

Recorrendo ao Skype, a diretora Maria Bäck conversa com sua mãe sueca – cujo rosto não se vê -, construindo um relato que captura indícios de vários sentimentos mutáveis.

Seleção oficial Sichuan TV Festival, China 2013.

Vegas, de Lukasz Konopa (Reino Unido, 24 min., 2013).

Mesmo no auge da crise econômica, três moradores de Las Vegas não desistem de perseguir sua versão pessoal do Sonho Americano.

Seleção oficial Festival Internacional de Documentários de Toronto – Hot Docs e DOK Leipzig 2013.

Uma Visita, de Matej Bobrik (Polônia, 11 min., 2013).

Num lar de idosos localizado no meio de um bosque, aos domingos eles se preparam desde cedo para a visita dos parentes. À medida que as horas passam, sua esperança declina.

Seleção oficial IDFA 2013 e Festival Internacional de Documentários de Direitos Humanos da República Tcheca – One World.

O Altar Partido, de Mike Rollo (Canadá, 20 min., 2013).

Percorrendo a trilha de drive-ins desativados, o filme retrata o que restou desses cinemas.

Seleção oficial Festival Internacional de Cinema Underground de Chicago, Festival de Cinema Experimental de Haverhill, Festival Internacional de curta-metragens documentais de Vidreres – Espanha,Arquiteturas Film Festival Lisboa, Festival Internacional de Cinema de Vermont, Festival do Novo Cinema do Canadá e Antimatter [Media Art], Canadá.