No dia 5 de abril, o CineSesc faz uma premiação de longas-metragens brasileiros de 2016 nas categorias de melhor filme, direção, fotografia, roteiro, atriz, ator e documentário, além de premiar também filmes estrangeiros em categorias semelhantes. Esta cerimônia marca a abertura do Festival Sesc Melhores Filmes, que traz de volta ao cinema, de 6 a 19 de abril de 2017, as produções mais votadas.

A seleção baseou-se em votos apurados pela internet e por consulta direta realizada à crítica especializada de todo o país, contando com votos de mais de 100 profissionais. Entre os destaques do festival estão O Botão de Pérola, Aquarius, Coração de Cachorro, Elle, Boi Neon, O Abraço da Serpente e São Paulo em Hi-Fi. A programação ainda inclui sessões especiais de clássicos do cinema restaurados em 4K, além de debates com críticos e conversas com realizadores.

Todas as sessões do Festival no CineSesc terão audiodescrição e legendas open caption. Ambos os recursos incluem pessoas com deficiências visual e auditiva na experiência do cinema.

Conheça a programação completa do 43º Festival Sesc Melhores Filmes.

 

5/4 – quarta-feira

20h – Cora Coralina – Todas as Vidas (Sessão de Abertura)

 

6/4 – quinta-feira

14h30 – Menino 23

17h – O Botão Pérola

19h30 – Ela Volta na Quinta

19h30 – SEMINÁRIOS DA CRÍTICA: Balanço do ano – Um olhar crítico sobre a produção cinematográfica

21h30 – Mãe Só Há Uma

 

7/4 – sexta-feira

14h30 – Francofonia

17h – A Chegada

19h30 – Coração de Cachorro

19h30 – SEMINÁRIOS DA CRÍTICA: A produção audiovisual nas diversas plataformas digitais

21h30 – Lawrence da Arábia (Restauração 4K)

 

8/4 – sábado

14h30 – Capitão Fantástico

17h – O Silêncio do Céu

19h30 – São Paulo em Hi-Fi

21h30 – O Poderoso Chefão (Restauração 4K)

 

9/4 – domingo

11h – A Era do Gelo 3D (CINECLUBINHO)

14h30 – Filho de Saul

17h – O Regresso

19h30 – Boi Neon

21h30 – Crepúsculo dos Deuses (Restauração 4K)

 

10/4 – segunda-feira

14h30 – Minha Mãe É Uma Peça 2

17h – Aquarius

19h30 – Trago Comigo

19h30 – Conversa com Adrian Tejido – fotógrafo do filme Elis

21h30 – Big Jato

 

11/4 – terça-feira

14h30 – Curumim

17h – Elis

19h – A Garota Dinamarquesa (CINE PSIQUE)

19h30 – Depois da Tempestade

21h30 – Cinema Novo

 

12/4 – quarta-feira

17h – Mãe Só Há Uma

19h30 – Francofonia

 

13/4 – quinta-feira

14h30 – São Paulo em Hi-Fi

17h – Capitão Fantástico

19h30 – Filho de Saul

21h30 – O Poderoso Chefão (Restauração 4K)

 

14/4 – sexta-feira

14h30 – Big Jato

17h – O Abraço da Serpente

19h30 – Menino 23

21h30 – O Botão Pérola

23h – Coração de Cachorro

 

15/4 – sábado

14h30 – O Cavalo de Turim

17h – Elle

19h30 – Crepúsculo dos Deuses (Restauração 4K)

21h30 – Aquarius

 

16/4 – domingo

11h – Snoopy e Charlie Brown – Peanuts, O Filme 3D (CINECLUBINHO)

14h30 – Elis

17h – Depois da Tempestade

19h30 – Lawrence da Arábia (Restauração 4K)

 

17/4 – segunda-feira

14h30 – Trago Comigo

17h – Cinema Novo

19h30 – A Chegada

19h30 – Conversa com Eryk Rocha – diretor do documentário Cinema Novo

21h30 – Boi Neon

 

18/4 – terça-feira

14h30 – Minha Mãe É Uma Peça 2

17h – O Abraço da Serpente

19h30 – O Silêncio do Céu

21h30 – Elle

 

19/4 – quarta-feira

14h30 – Ela Volta na Quinta

17h – O Cavalo de Turim

19h30 – Curumim

19h30 – CINEMA DA VELA ESPECIAL: As mulheres na crítica

21h30 – O Regresso

 

Sinopses e fichas técnicas

Cora Coralina – Todas as Vidas

(DCP, Dir.: Renato Barbieri, Brasil, 2015, 74 min., livre)

Cruzando a fronteira entre a realidade e a ficção, esta é a história da escritora e poeta brasileira Cora Coralina, uma mulher que trabalhou como doceira durante quase toda sua vida, apenas publicando seu primeiro livro aos 75 anos de idade. No entanto, nem mesmo todos os anos de espera a impediram de se tornar uma das autoras brasileiras mais importantes de sua geração.

 

Menino 23 – Infâncias Perdidas no Brasil

(DCP, Dir.: Belisario Franca, Brasil, 2016, 99 min., 12 anos)

O documentário retoma a pesquisa do historiador Sidney Aguilar. Nos anos 1930, ele descobriu que 50 meninos negros foram levados a uma fazenda no interior de São Paulo, onde eram identificados por números e submetidos a trabalho escravo. O longa conta com depoimentos de Aloísio Silva, o número 23.

 

O Botão de Pérola

(DCP, Dir.: Patricio Guzmán, Chile/França/Espanha, 2015, 82 min., 14 anos)

O oceano contém a história de toda a humanidade. No mar estão as vozes da Terra e de todo o espaço. A água, fronteira mais longa do Chile, também esconde o segredo de dois misteriosos botões encontrados no fundo do mar. Com mais de 4 mil km de costa e o maior arquipélago do mundo, o Chile apresenta uma paisagem sobrenatural, com vulcões, montanhas e glaciares. Nessa paisagem estão as vozes da população indígena da Patagônia, dos primeiros navegadores ingleses que chegaram ao país, e também a voz dos presos políticos chilenos. Alguns dizem que a água tem memória. Este filme mostra que ela também tem voz.

 

Ela Volta na Quinta

(DCP, Dir.: André Novais Oliveira, Brasil, 2014, 108 min., 12 anos)

Maria José e Norberto são um casal que vive há 35 anos juntos, na cidade de Contagem, região metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais. Bastante desgastado pelo tempo, o relacionamento dos dois se encontra em crise. Maria José, mesmo com problemas de saúde, resolve fazer uma viagem para Aparecida do Norte, como forma de pensar se o divórcio é mesmo a solução.

 

Mãe Só Há Uma

(DCP, Dir.: Anna Muylaert, Brasil, 2016, 82 min., 16 anos)

Livremente inspirada no caso de Pedrinho, de 2002, a diretora e roteirista Anna Muylaert conta a história de Pierre, que, aos 17 anos, descobre ter sido roubado da maternidade quando bebê e criado por sua sequestradora.

 

Francofonia

(DCP, Dir.: Alexander Sokurov, Alemanha/França/Holanda, 2015, 88 min., 10 anos)

Pensando na relação entre arte e poder, o documentário filmado no Museu do Louvre questiona se a arte pode nos ensinar sobre nós mesmo, inclusive nos momentos mais sangrentos do mundo.

A Chegada

(DCP, Dir.: Denis Villeneuve, EUA, 2016, 116 min., 10 anos)

Quando seres interplanetários deixam marcas na Terra, a Dra. Louise Banks, uma linguista especialista no assunto, é procurada por militares para traduzir os sinais e desvendar se os alienígenas representam uma ameaça ou não. No entanto, a resposta para todas as perguntas e mistérios pode ameaçar a vida de Louise e a existência de toda a humanidade.

 

Coração de Cachorro

(DCP, Dir.: Laurie Anderson, EUA, 2015, 75 min., 14 anos)

Centrado na cachorra Lolabelle, que morreu em 2011 e era muito querida pela diretora, o filme é um ensaio pessoal que combina lembranças de infância, diários em vídeo, reflexões sobre dados, cultura de vigilância e a visão budista sobre a morte, além de tributos a artistas, escritores, músicos e pensadores. Numa espécie de colagem visual, o filme examina como histórias são construídas e contadas — e como as usamos para dar sentido às nossas vidas.

Lawrence da Arábia

(Digital, Dir.: David Lean, Reino Unido/EUA, 1962, 216 min., 12 anos)

Em 1916, durante a Primeira Guerra Mundial, o oficial britânico T.E. Lawrence é enviado à península arábica, graças ao seu profundo conhecimento das tribos nativas de beduínos, a fim de encontrar o príncipe Faisal e fazer a ligação entre árabes e ingleses na luta contra os turcos. Com a ajuda do xerife nativo Ali, Lawrence se rebela contra as ordens de seus superiores e enfrenta uma jornada através do deserto para atacar um porto turco bem protegido. Baseado em uma história real, o filme foi vencedor de sete Oscar, incluindo melhor filme e direção.

 

Capitão Fantástico

(DCP, Dir.: Matt Ross, EUA, 2016, 90 min., 14 anos)

Ben (Viggo Mortensen) tem seis filhos com quem vive longe da civilização, no meio da floresta, numa rígida rotina de aventuras. As crianças lutam, escalam, leem obras clássicas, debatem, caçam e praticam duros exercícios, tendo a autossuficiência sempre como palavra de ordem. Certo dia um triste acontecimento leva a família a deixar o isolamento e o reencontro com parentes distantes traz à tona velhos conflitos.

O Silêncio do Céu

(DCP, Dir.: Marco Dutra, Brasil, 2016, 102 min., 14 anos)

Após sofrer um estupro em sua própria casa, Diana resolve não contar o trauma vivido ao marido, Mario. Ele também tem algo a esconder, e o silêncio que toma conta do casal acaba, aos poucos, minando a relação.

 

São Paulo em Hi-Fi

(DCP, Dir.: Lufe Steffen, Brasil, 2013, 100 min., 16 anos)

O documentário apresenta histórias das noites gays em São Paulo nas décadas de 1960, 1970 e 1980. Fazendo uma viagem no passado, os personagens mostram as histórias das dançarinas e transformistas que se apresentavam nas famosas casas noturnas que marcaram época e tudo o que elas tiveram que passar, como a imposição da ditadura e a famosa explosão da Aids.

 

O Poderoso Chefão

(Digital, Dir.: Francis Ford Coppola, EUA, 1972, 175 min., 14 anos)

Vito Corleone, chefe de uma das maiores famílias da máfia italiana na Nova York do fim dos anos 1940, está envelhecendo e tem de lidar com a chegada das drogas no submundo da contravenção. Quando sofre um atentado quase fatal, que o deixa debilitado na cama de um hospital, seus filhos Michael e Sonny precisarão assumir os negócios da família. Mas o pacífico Michael, que pretendia levar uma vida normal longe do crime, terá dificuldade em aceitar o papel que o pai precisa que ele desempenhe. Baseado no romance de Mario Puzo, o filme ganhou três Oscar: melhor filme, ator (Brando) e roteiro adaptado.

 

Filho de Saul

(DCP, Dir.: László Nemes, Bósnia e Herzegovina/Hungria/França/Israel/ EUA, 2016, 107 min., 14 anos)

Saul é um judeu obrigado a trabalhar para os nazistas, sendo um dos responsáveis em limpar as câmaras de gás após dezenas de outros judeus serem mortos.

 

O Regresso

(DCP, Dir.: Alejandro González Iñárritu, EUA, 2016, 156 min., 16 anos)

Hugh Glass parte para o oeste americano a mando do capitão Andrew Henry, disposto a ganhar dinheiro. Lá ele é atacado por um urso, que o deixa seriamente ferido. Dois homens o encontram, mas, como acreditavam que ele morreria logo, resolvem roubar seus pertences e deixá-lo por lá mesmo. Entretanto, Glass consegue sobreviver e inicia uma árdua jornada em busca de vingança.

 

Boi Neon

(DCP, Dir.: Gabriel Mascaro, Brasil/Uruguai/Holanda, 2015, 101 min., 16 anos)

Nos bastidores das Vaquejadas, Iremar e um grupo de vaqueiros preparam os bois antes de solta-los na arena. Levando a vida na estrada, o caminhão que transporta os bois para o evento é também a casa improvisada de Iremar e seus colegas de trabalho: Zé, Negão, Galega e sua filha Cacá. O cotidiano é intenso e visceral, mas algo inspira novas ambições em Iremar: a recente industrialização e o polo de confecção de roupas na região do semiárido nordestino. Deitado em sua rede na traseira do caminhão, sua cabeça divaga em sonhos de lantejoulas, tecidos requintados e croquis. O vaqueiro esboça novos desejos.

 

Crepúsculo dos Deuses

(Digital, Dir.: Billy Wilder, EUA, 1950, 110 min., livre)

Hollywood, anos 1950. O roteirista Joe Gillis tem dificuldade em vender suas ideias para os estúdios. Prestes a desistir da carreira e voltar para sua cidade natal, ele tem o pneu de seu carro furado em frente a uma mansão onde mora a reclusa musa do cinema mudo Norma Desmond, que não atua há décadas. A atriz vive iludida com a ideia de um grande retorno às telas, alimentado por seu fiel mordomo Max, que fora marido e diretor de seus filmes. Joe percebe na situação a oportunidade de ganhar dinheiro desenvolvendo o roteiro do filme de Norma, Salomé. Aos poucos, a decadente atriz se apaixona por Joe, mas quando ele inicia um caso com a jovem Betty, a loucura de Norma atinge níveis perigosos. Vencedor de três Oscar, incluindo melhor roteiro original.

 

Minha Mãe É Uma Peça 2

(DCP, Dir.: André Pellenz, Brasil, 86 min., 12 anos)

Sucesso como apresentadora de um programa de TV, Dona Hermínia resolve tentar novos relacionamentos, deixando para trás o pedido de Carlos Alberto para que reatem. O problema é que cada possível namoro empaca justamente devido à preocupação dela com os filhos Marcelina e Juliano.

 

Aquarius

(DCP, Dir.: Kleber Mendonça Filho, Brasil, 2016, 145 min., 16 anos)

Clara tem 65 anos, é jornalista aposentada, viúva e mãe de três adultos. Ela mora em um apartamento localizado na Av. Boa Viagem, no Recife, onde criou seus filhos e viveu boa parte de sua vida. Interessada em construir um novo prédio no espaço, os responsáveis por uma construtora conseguiram adquirir quase todos os apartamentos do prédio, menos o dela. Por mais que tenha deixado bem claro que não pretende vendê-lo, Clara sofre todo tipo de assédio e ameaça para que mude de ideia.

 

Trago Comigo

(DCP, Dir.: Tata Amaral, Brasil, 2015, 87 min., 14 anos)

Um diretor de teatro aposentado não se lembra totalmente do passado durante sua prisão na época da ditadura militar, nos anos 1970 no Brasil. Ele decide montar uma peça e, com fiapos de memória, vai improvisando o texto com seu jovem elenco.

 

Big Jato

(DCP, Dir.: Claudio Assis, Brasil, 2014, 92 min., 16 anos)

Adaptação do romance homônimo e semiautobiográfico do jornalista Xico Sá, o filme mostra um garoto dividido entre as visões do pai, um machão que dirige o caminhão limpa-fossas Big Jato pelo sul do Ceará, e o tio, radialista e malandro, ambos vividos por Matheus Nachtergaele.

 

Curumim

(DCP, Dir.: Marcos Prado, Brasil, 2016, 100 min., 14 anos)

A vida de Marco “Curumim” Archer muda drasticamente quando os 13,5 quilos de cocaína escondidos em sua asa delta são descobertos pela polícia do Aeroporto Internacional de Jacarta, na Indonésia. Ele faz uma fuga espetacular e sai pela porta da frente do aeroporto, ludibriando a polícia local. Depois de se esconder por 16 dias pelas ilhas paradisíacas da Indonésia, Marco é preso e condenado à morte. Doze anos depois, no dia 17 de janeiro de 2015, se tornou o primeiro brasileiro a ser executado por tráfico de drogas no mundo. “Curumim” oferece uma jornada íntima pela vida de um homem transgressor, carismático e irreverente, que escolheu viver intensamente a ilusão de que para ser amado pelos amigos e aceito pela sociedade, teria as drogas como sua maior moeda de troca. Sem ter nunca pego numa arma ou coagido ninguém, morreu fuzilado sem ter uma segunda chance.

 

Elis

(DCP, Dir.: Hugo Prata, Brasil, 2016, 113 min., 14 anos)

Cantora desde a infância, Elis Regina Carvalho Costa entra na vida adulta deixando o Rio Grande do Sul para espalhar seu talento pelo Brasil a partir do Rio de Janeiro. Em rápida ascensão, ela logo conquista uma legião de fãs, entre eles o famoso compositor e produtor Ronaldo Bôscoli, com quem acaba se casando. Estrela de TV, polêmica, intensa e briguenta, a “Pimentinha” não tarda a ser reconhecida como a maior voz do Brasil, em carreira marcada por altos e baixos.

 

Depois da Tempestade

(DCP, Dir.: Hirokazu Koreeda, Japão, 110 min., 10 anos)

Ryoda, um escritor em decadência que desperdiça o pouco dinheiro que ganha como detetive particular em jogos de azar, mal consegue pagar a pensão alimentícia de seu filho. Sua mãe, sua linda ex-mulher e seu jovem filho estão seguindo seus caminhos, enquanto Ryota luta para retomar o controle de sua vida e reconquistar o amor e respeito de sua família. Até que uma noite de verão tempestuosa oferece a oportunidade que ele precisava para reatar esses laços.

 

Cinema Novo

(DCP, Dir.: Eryk Rocha, Brasil, 2016, 90 min., 12 anos)

Cinema Novo é um ensaio poético que investiga um dos principais movimentos cinematográficos latino-americanos, através do pensamento e fragmentos de filmes dos seus principais autores. O filme mergulha na aventura da criação de uma geração de cineastas que inventou uma nova forma de fazer cinema no Brasil – a partir de uma atitude política que juntava arte e revolução – e que tinha como desejo um cinema que tomasse as ruas e fosse ao encontro do povo brasileiro

 

O Abraço da Serpente

(DCP, Dir.: Ciro Guerra, Colômbia/Venezuela/Argentina, 2015, 125 min., 12 anos)

Um Xamã de uma aldeia amazônica e último sobrevivente de sua tribo da Amazônia. Ele opta pelo isolamento nas profundezas da selva, até ser encontrado por um botânico europeu, que está em busca de uma planta poderosa capaz de fazer sonhar.

 

O Cavalo de Turim

(DCP, Dir.: Bela Tarr, França/Suíça/Hungria/Alemanha, 90 min., 14 anos)

O velho fazendeiro Ohlsdorfer e sua filha dividem um cotidiano dominado pela monotonia. A realidade dos dois é observada pela vista da janela e as mudanças são raras. Enquanto isso, o cavalo da família se recusa a comer e a andar. O filme é uma recriação do que teria ocorrido com o animal após ter sido salvo da tortura pelo filósofo alemão Friedrich Nietzsche durante uma viagem a Turim, na Itália.

 

Elle

(DCP, Dir.: Paul Verhoeven, França/Alemanha/Bélgica, 2016, 130 min., 16 anos)

Michele é a executiva-chefe de uma empresa de videogames, a qual administra do mesmo jeito que administra sua vida amorosa e sentimental: com mão de ferro, organizando tudo de maneira precisa e ordenada. Sua rotina é quebrada quando ela é atacada por um desconhecido, dentro de sua própria casa. No entanto, ela decide não deixar que isso a abale. O problema é que o agressor misterioso ainda não desistiu dela.

 

A Era do Gelo 3D (CINECLUBINHO)

(DCP, Dir.: Mike Thurmeier, EUA, 2016, 100 min., livre, dublado)

Uma catástrofe cósmica ameaça a vida na Terra, graças a mais uma trapalhada de Scrat. Manny, Ellie, Diego, Shira e Sid, então, deixam seus lares e encontram abrigo em uma caverna ocupada pelo excêntrico líder espiritual Shangri Lhama e seus seguidores.

 

Snoopy e Charlie Brown – Peanuts, O Filme 3D (CINECLUBINHO)

(DCP, Dir.: Esteve Martino, EUA, 2015, 88 min., livre, dublado)

Próximo das férias de inverno, a vida de Charlie Brown e sua turma sofre uma mudança com a chegada na cidade de uma garotinha de cabelo vermelho. Brown logo se encanta pela jovem e tenta lutar contra sua timidez e sua baixa autoestima para falar com ela. Ao mesmo tempo, Snoopy encontra uma máquina de escrever e começa a imaginar uma história pra lá de fantasiosa e heroica

 

A Garota Dinamarquesa (CINE PSIQUE)

(DCP, Dir.: Tom Hooper, EUA/Reino Unido/Alemanha, 2016, 119 min., livre)

Cinebiografia de Lili Elbe, que nasceu Einar Mogens Wegener e foi a primeira pessoa a se submeter a uma cirurgia de mudança de gênero. Mostra o relacionamento amoroso do pintor dinamarquês com Gerda e sua descoberta como mulher.

 

Serviço

43º Festival Sesc Melhores Filmes

Data: De 5 a 19 de abril de 2017

Local: CineSesc (R. Augusta, 2075 – Cerqueira César, São Paulo – SP)

Entrada gratuita para o Seminário da Crítica, Cinema da Vela Especial, Conversas com realizadores, Cineclubinho e Cine Psique.

Demais sessões: R$ 6,00 (meia-entrada) e R$ 12,00 (inteira); R$ 3,50 para associados do SESC

Site: http://melhoresfilmes.sescsp.org.br/

Telefone: (11) 3087-0500