Em cerimônia na noite desta terça-feira (23), o longa-metragem Branco Sai, Preto Fica, de Adirley Queirós, foi o principal vencedor da noite e ficou com o prêmio de melhor filme do 47º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, além dos troféus de melhor ator (Marquim do Tropa) e direção de arte (Denise Vieira).

Brasil S/A, de Marcelo Pedroso, ganhou o maior número de prêmios, cinco, como melhor direção, roteiro (Marcelo Pedroso), trilha sonora (Mateus Alves), som (Pablo Lamar) e montagem (Daniel Bandeira). Também foram premiados os filmes Ela Volta na Quinta (ator e atriz coadjuvante), Ventos de Agosto (atriz e fotografia) e Sem Pena (melhor filme pelo júri popular).

Entre os curtas-metragens, Sem Coração, de Nara Normande e Tião, ganhou os prêmios de melhor filme, direção e montagem. Loja de Répteis, de Pedro Severien, também levou três estatuetas (melhor fotografia, direção de arte e trilha sonora). Melhor atriz em longa-metragem no último Festival de Brasília por Amor, Plástico e Barulho, Maeve Jinkings agora recebeu o prêmio de atuação entre os curtas pelo filme Estátua!, de Gabriela Amaral Almeida, que também recebeu o prêmio de melhor roteiro.

 

Cineastas unidos

Antes da entrega dos prêmios, diretores, produtores e outros integrantes das equipes dos longas-metragens da mostra competitiva do Festival de Brasília se reuniram para assinar um documento conjunto chamado de Carta de Brasília, na qual eles sugerem mudanças na lógica de distribuição financeira dos prêmios.

“O valor atribuído ao prêmio de melhor longa-metragem, totalizando R$ 250 mil, representa uma disparidade em relação aos valores distribuídos pelos demais prêmios, contribuindo para a criação de um clima de competitividade exacerbada entre os filmes seus representantes”, diz a carta, lida no palco pelo produtor Thiago Macêdo Correia, de Ela Volta na Quinta.

“Desconfortáveis com a concentração de recursos num único prêmio, os diretores, produtores e integrantes das equipes dos longas decidiram, antecipadamente e por unanimidade, dividir o valor de R$ 250 mil em seis partes iguais que serão distribuídas entre os filmes que estiveram em competição. O gesto proposto pelos realizadores este ano serve como sugestão de uma partilha futura dos recursos hoje concentrados no prêmio de longa-metragem. Entendemos que uma distribuição de verba entre os filmes, a título de pagamento de direitos de exibição, associada a um prêmio em dinheiro para o melhor filme, representaria uma forma mais isonômica de emprego do valor”, diz a conclusão do documento.

 

Conheça a seguir a lista completa de premiados.

 

MOSTRA COMPETITIVA DE FILMES DE LONGA-METRAGEM

Melhor filme (R$ 250.000,00) – Branco sai. Preto fica, de Adirley Queirós

Melhor filme pelo júri popular (R$ 50.000,00) – Sem pena, de Eugenio Puppo

Melhor direção (R$ 30.000,00) – Marcelo Pedroso, por Brasil S/A

Melhor ator (R$ 15.000,00) – Marquim do Tropa, por Branco sai. Preto fica

Melhor atriz (R$ 15.000,00) – Dandara de Morais, por Ventos de Agosto

Melhor ator coadjuvante (R$ 10.000,00) – Renato Novais de Oliveira, por Ela volta na quinta

Melhor atriz coadjuvante (R$ 10.000,00) – Élida Silpe, por Ela volta na quinta

Melhor roteiro (R$ 15.000,00) – Marcelo Pedroso, por Brasil S/A

Melhor fotografia (R$ 15.000,00) – Gabriel Mascaro, por Ventos de Agosto

Melhor direção de arte (R$ 15.000,00) – Denise Vieira, por Branco sai. Preto fica

Melhor trilha sonora (R$ 15.000,00) – Mateus Alves, por Brasil S/A

Melhor som (R$ 15.000,00) – Pablo Lamar, por Brasil S/A

Melhor montagem (R$ 15.000,00) – Daniel Bandeira, por Brasil S/A

 

MOSTRA COMPETITIVA DE FILMES DE CURTA-METRAGEM

Melhor filme (R$ 35.000,00) – Sem coração, de Nara Normande e Tião

Melhor filme pelo júri popular (R$ 25.000,00) – Crônicas de uma cidade inventada, de Luísa Caetano

Melhor direção (R$ 15.000,00) – Nara Normande e Tião, por Sem coração

Melhor ator (R$ 10.000,00) – Zé Dias, por Geru

Melhor atriz (R$ 10.000,00) – Maeve Jinkings, por Estátua!

Melhor roteiro (R$ 10.000,00) – Gabriela Amaral Almeida, por Estátua!

Melhor fotografia (R$ 10.000,00) – Beto Martins, por Loja de répteis

Melhor direção de arte (R$ 10.000,00) – Juliano Dornelles, por Loja de répteis

Melhor trilha sonora (R$ 10.000,00) – Piero Bianchi, Vinícius Nunes e Mateus Alves , por Loja de répteis

Melhor som (R$ 10.000,00) – Fábio Baldo, por Geru

Melhor montagem (R$ 10.000,00) – Nara Normande e Tião, por Sem coração

 

TROFÉU CÂMARA LEGISLATIVA DO DF – MOSTRA BRASÍLIA

Melhor longa-metragem – Branco Sai. Preto Fica, de Adirley Queirós

Melhor curta-metragem – Crônicas de uma cidade inventada, de Luísa Caetano

Melhor direção – André Luiz Oliveira, por Zirig Dum Brasília – A Arte e o Sonho de Renato Matos

Melhor ator – Marquim do Tropa, por Branco Sai. Preto Fica

Melhor atriz – Klarah Lobato, por Querido Capricórnio

Melhor roteiro – Fáuston da Silva, por Ácido Acético

Melhor fotografia – Dani Azul, por Meio Fio

Melhor montagem – Guille Martins, por Branco Sai. Preto Fica

Melhor direção de arte – Luiz Fernando Skopein, por À Mão Armada

Melhor edição de som – Guille Martins e Camila Machado, por Branco Sai. Preto Fica

Melhor captação de som direto – Francisco Craesmeyer, por Branco Sai. Preto Fica

Melhor trilha sonora – Renato Matos, por Zirig Dum Brasília – A Arte e o Sonho de Renato Matos

Melhor longa-metragem pelo júri popular – Zirig Dum Brasília – A Arte e o Sonho de Renato Matos, de André Luiz Oliveira

Melhor curta-metragem pelo júri popular – Ácido Acético, de Fáuston da Silva

 

PRÊMIO MARCO ANTÔNIO GUIMARÃES: Zirig Dum Brasília – A Arte e o Sonho de Renato Matos, de André Luiz Oliveira

 

PRÊMIO CANAL BRASIL: Sem coração, de Nara Normande e Tião

 

PRÊMIO EXIBIÇÃO TV BRASIL: Branco sai. Preto fica, de Adirley Queirós

 

PRÊMIO ABRACCINE

Melhor filme de curta-metragem: Estátua!, de Gabriela Amaral Almeida

Melhor filme de longa-metragem: Branco sai. Preto fica, de Adirley Queirós

 

PRÊMIO SARUÊ: Branco sai. Preto fica, de Adirley Queirós

 

PRÊMIO VAGALUME

Melhor filme de curta-metragem: Crônicas de uma cidade inventada, de Luísa Caetano

Melhor filme de longa-metragem: Ventos de Agosto, de Gabriel Mascaro

 

PRÊMIO CONTERRÂNEOS: Zirig Dum Brasília – A Arte e o Sonho de Renato Matos, de André Luiz Oliveira