Principal festival de documentários da América Latina, o É Tudo Verdade vai prestar homenagem ao americano Orson Welles e ao brasileiro Vladimir Carvalho em sua 20ª edição, que acontece simultaneamente em São Paulo (9 a 19 de abril) e Rio de Janeiro (10 a 19 de abril) e depois segue para Belo Horizonte (29 de abril a 4 de maio), Santos (7 a 10 de maio)  e Brasília (27 de maio a 1º de junho), sempre com entrada gratuita para todas as sessões.

Vladimir Carvalho completou 80 anos no último mês de janeiro e terá a sua obra celebrada com a exibição de quatro de seus principais longas-metragens e dois retratos biográficos a ele dedicados. Já Orson Welles (1915 – 1985), que completaria cem anos em 2015 se estivesse vivo, será lembrado com os filmes It’s All True, um documentário sobre o filme interrompido rodado por Welles no Brasil em 1942, e a versão restaurada de Verdades e Mentiras.

O anúncio da programação aconteceu em evento nesta terça-feira (23). Ao todo, o festival vai exibir 109 títulos de 31 países, sendo 16 em estreia mundial. A abertura do evento, como já havia sido anunciado, terá a exibição de Últimas Conversas, documentário dirigido por Eduardo Coutinho que foi montado após a morte do diretor, ocorrida em fevereiro do ano passado.

Para celebrar os seus 20 anos, o É Tudo Verdade fará a Retrospectiva 20! Vinte aos Pares, que vai exibir dez pares de títulos marcantes da história do festival. Outra novidade é o lançamento, com a editora Cosac Naify, do livro A Verdade de Cada Um, uma antologia de textos sobre documentário de 32 de seus principais realizadores, organizado e apresentado pelo curador Amir Labaki.

Mais informações podem ser encontradas no site oficial do É Tudo Verdade. Conheça a seguir os títulos selecionados para as mostras competitivas da 20ª edição do festival.

 

COMPETIÇÃO BRASILEIRA DE LONGAS E MÉDIAS

Caminho de Volta, de José Joffily e Pedro Rossi (RJ, 80 min., 2015).

Eu Sou Carlos Imperial, de Renato Terra e Ricardo Calil (RJ, 90 min., 2015).

Filme Sobre Um Bom Fim, de Boca Migotto (RS, 88 min., 2015).

Orestes, de Rodrigo Siqueira (SP, 93 min., 2015).

A Paixão de JL, de Carlos Nader (SP, 82 min., 2014).

Sete Visitas, de Douglas Duarte (RJ, 73 min., 2015).

Um Filme de Cinema, de Walter Carvalho (RJ, 108 min., 2015).


COMPETIÇÃO INTERNACIONAL DE LONGAS E MÉDIAS

Chamada de Emergência – Um mistério de Assassinato, de Pekka Lehto (Finlândia, 83 min., 2014).

Chamas de Nitrato, de Mirko Stopar (Noruega, Argentina, 62 min., 2014).

O Conselho, de Yahya Alabdallah (Jordânia e Emirados Arábes, 80 min., 2014).

A França é a Nossa Pátria, de Rithy Pahn (75min, França., 2014).

Hora do Chá, de Maite Alberdi (Chile e EUA, 70 min., 2014).

O Outro Homem: F.W. de Klerk e o Fim do Apartheid, de Nicolas Rossier (EUA, 75 min., 2014)

Pekka, de Alexander Oey (Holanda, 90 min., 2014).

O Que Houve, Sta. Simone?, de Liz Garbus (EUA, 102 min., 2015).

Seguindo Nazarín: O Eco de Uma Terra em Outra Terra, de Javier Espada (Espanha/ México, 75 min., 2015)

Seus Pais Voltarão, de Pablo Martínez Pessi (Uruguai, 80 min., 2015).

A Visita, de Michael Madsen (Dinamarca, 83 min., 2014).

Tempo Suspenso, de Natalia Bruschtein (México, 64 min., 2015).


COMPETIÇÃO BRASILEIRA DE CURTAS-METRAGENS

Caetana, de Felipe Nepomuceno (RJ, 15 min., 2014).

Cidade Vazia, de Cristiano Burlan (SP, 8 min., 2015).

Cordilheira de Amora II, de Jamille Fortunato (MS, 12 min., 2014/2015).

De Profundis, de Isabela Cribari (PE, 20 min., 2014).

A Festa e os Cães, de Leonardo Mouramateus (CE, 25 min., 2015).

Nelson dos Santos, de Paulo Silver e Albert Ferreira (AL, 19 min., 2014).

Retrato de Carmem D., de Isabel Joffily (RJ, 22 min., 2015).

Sem Título # 2 : LA MER LARME, de Carlos Adriano (SP, 28 min., 2015).

A Vida que a Gente Só Ouve Falar, de Julia Tami Ishikawa (SP, 21 min., 2014).


COMPETIÇÃO INTERNACIONAL DE CURTAS-METRAGENS

#73, de Rekesh Shahbaz (Curdistão, 23 min., 2015).

O Claustro, de Jay Rosenblatt (EUA, 16 min., 2014).

Dia da Vitória, de Alina Rudnitskaya (Rússia, 30 min., 2014).

Um Filme Perdido, de Eduardo Amaro (Portugal, 11 min., 2014).

A Ilha que Era, de Alberto Gambato (Itália, 10 min., 2014).

Morte Branca, de Roberto Collío (Chile, 17 min., 2014).

Se Mamãe Não Está Feliz, Ninguém Está, de Mea de Jong (Holanda, 25 min., 2014).

Supercondomínio, de Teresa Czepiec (Polônia, 20 min., 2014).

Urso, de Pascal Flörks (Alemanha, 9 min., 2014).